UM ANO DE “GLORY”

O álbum “Glory” de Britney Spears completou um ano desde o seu lançamento. O disco fora lançado a 26 de Agosto de 2016. A cantora já se pronunciou sobre a data e o CIRCUS propõe-se a relembrar alguns dos destaques desta era.

Há precisamente um ano atrás, Britney Spears lançava o seu nono álbum de estúdio. “Glory” – título escolhido pelo seu filho mais velho, Sean Preston – superou as expetativas dos críticos que temiam por uma repetição de “Britney Jean”, mas acabou por falhar comercialmente. Do álbum saíram os singles “Make Me…” e “Slumber Party”, um som mais urban pop e uma nova Britney com garra e confiança. Para além de uma versão deluxe com 17 faixas, “Glory” foi lançado em vinil e teve uma edição especial japonesa.

VENDAS E CRÍTICA

Embora tenha acabado por ter um desempenho fraco a nível de vendas, “Glory” surpreendeu durante a primeira semana. Para além de ter entrado diretamente para o número três da Billboard 200 (com 111 mil cópias), entrou para o segundo lugar da tabela de álbuns inglesa e também para o terceiro da portuguesa, marcando a melhor estreia de Britney Spears no nosso país. Já no site metacritic, “Glory” tornou-se na segunda melhor avaliação da cantora com uma média de 71/100 por parte dos críticos e no fim do ano, o disco foi considerado o quinto melhor na categoria Pop para a Rolling Stone.

Até ao presente, o número de vendas de “Glory” é incerto. Confirmadas estão 350 mil, mas há quem estime que o álbum já tenha superado as 500 mil cópias à volta do mundo com a ajuda do (valioso) streaming.

BACKGROUND

Britney Spears começou a trabalhar no álbum dois anos antes do seu lançamento: “Já não fazia algo tão bom há muito tempo (…) e, por isso, não quero apressar nada para que os meus fãs o possam disfrutar”, disse em entrevista. Spears queria algo novo e inovador e, por isso, trabalhou com novos produtores responsáveis por álbuns como “Purpose” de Justin Bieber ou “Revival” de Selena Gomez.

A produtora executiva do álbum, Karen Kwak, revelou que foi Britney quem escolheu as músicas que queria fazer, assim como foi ela a responsável pelo respetivo conceito e melodias. Em algumas entrevistas, Britney reforçou essa ideia, tratando “Glory” como o seu bebé e afirmando que o processo de gravação “nem parecia trabalho” de tão divertido que era.

PROMOÇÃO

O álbum teve direito a alguma promoção. Para além de várias entrevistas para rádios, a cantora cantou “Make Me…” – o primeiro single – nos Video Music Awards 2016 e participou no Carpool Karaoke de James Corden que já tem mais de 35 milhões de visualizações.

Nos meses seguintes, Britney fez uma partcipação especial no programa de Ellen DeGeneres, viajou até Londres onde cantou no Apple Music Festival, deu uma entrevista a Jonathan Ross e, ainda, participou em vários festivais de Natal.

SINGLES E OUTRAS CURIOSIDADES

“Make Me…” foi o primeiro single do álbum, uma colaboração com G-Eazy. O single conseguiu chegar à 17ª posição da Billboard Hot 100 e já conseguiu vender mais de 500,000 cópias em território americano. “Slumber Party” foi o segundo e último single de “Glory”. Com uma participação de Tinashe, o single não passou do número 86 na Billboard Hot 100.

Foi durante o vídeo de “Slumber Party” que Britney Spears conheceu Sam Asghari, o seu atual namorado.

Embora tenha sido uma era curta com apenas dois singles, “Glory” acabou por nos dar mais do que apenas qualidade musical. Trouxe consigo uma nova Britney com mais garra e vontade.

De modo a celebrar a era “Glory”, completámos a nossa galeria com várias fotografias da era.

CIRCUS © All rights reserved 2018 - 2020 | Contact {+}
Host:
Flaunt Network | DMCA | Privacy Policy | Layout by Ana Liziane